Atenua Som realiza projeto décor na sede da revista Caras

A Atenua Som foi a empresa escolhida para fornecer as esquadrias termoacústicas das salas de reuniões e do estúdio de TV da unidade de São Paulo da revista Caras.

Atenua Som participa de projeto acústico da sede do Neojiba

A Atenua Som em parceria com a empresa Nagata Acoustics realizaram o tratamento acústico do Neojiba (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia), programa governamental que tem por objetivo alcançar a excelência e a integração social por meio da prática coletiva da música.

A acústica ganha relevância no mercado hoteleiro com mudanças no comportamento do público


Ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade dos ambientes de hotéis a acústica ganha mais relevância já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia. Somado a isso, a velocidade com que se pode comunicar hoje as impressões sobre um hotel, com ferramentas como sites de viagens e fóruns interativos, além das redes sociais, vêm transformando de forma constante o serviço de hospedagem pelo mundo.

Mais do que um bom serviço, boas camas e higiene, o setor hoteleiro de forma geral tem buscado oferecer experiências únicas, memoráveis e sensoriais que levem os hóspedes a certo encantamento. Nessa tendência da hotelaria, a acústica dos ambientes, ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade, ganha mais relevância, já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia.

Somado a isso, a velocidade com que se comunica hoje as impressões sobre um hotel, com ferramentas como sites de viagens e fóruns interativos, além das redes sociais, vêm transformando de forma constante o serviço dos hotéis pelo mundo.

O conforto acústico produzido por materiais sofisticados com texturas, cores e impressões personalizadas ajudam a compor a identidade de um hotel e se inserem de forma fundamental na experiência dos hóspedes. A evolução das soluções em acústica busca acompanhar um mercado repleto de novidades tecnológicas em que, em alguns hotéis, se pode mudar as posições das paredes do quarto, ajustar de forma eletrônica a cama em diferentes direções, colocar as roupas para lavar e em pouco tempo retirá-las limpas, secas e passadas. Nesses locais, privacidade, silêncio e tranquilidade ainda são itens essenciais para o descanso.

Não existem normas específicas para a acústica de hotéis no Brasil. A ABNT NBRs 15575e 10151 e 10152, são as que servem como referência. “Para se ter uma ideia, o nível mínimo da normativa brasileira para edificações residenciais é de 80 decibels em dormitórios. Padrões internacionais para quartos em hotéis cinco estrelas não toleram mais que 55 decibels de ruídos externos. Ou seja, bem acima da régua brasileira, segundo André Raeder, consultor de acústica da Harmonia Acústica.

O primeiro hotel Four Seasons do Brasil, localizado em São Paulo, teve projeto acústico realizado pela Harmonia Acústica, que incluiu o lobbyballroom, salas de convenções, quartos, residências e um clube com spa, piscina, academia, restaurante e bar. Segundo Raeder, “um dos maiores desafios foi tratar os ruídos da área de equipamentos sobre as suítes presidenciais e isolar o ruído da Avenida das Nações Unidas, além de adequar as situações complexas do projeto aos padrões 5 estrelas do hotel”.

“Esquadrias e paredes isolantes, tipos de pisos, isolamento de casas de máquinas (bombas, gerador e compressor), desacoplamento estrutural da piscina − caso a mesma esteja na cobertura −, redução da reverberação nos lobbys e restaurantes, especificações de forros e revestimentos para os auditórios e salas de reuniões, além da avaliação das áreas administrativas”, são alguns dos aspectos a serem avaliados, segundo Débora Barretto, diretora técnica da consultoria Audium Acústica, na complexa equação para se alcançar o conforto acústico em projetos de hotéis.

Para controlar os efeitos de ruídos e vibrações é necessário evitar ao máximo os contatos rígidos e dimensionar elementos antivibratórios para cada situação, explica Barreto. Além disso, projetar barreiras acústicas, molas, paredes e portas isolantes, borrachas especiais com base em uma análise criteriosa de um consultor especializado é importante, segundo ela.

Privacidade e silêncio
Isolamento para limitar o ruído sem incomodar os quartos vizinhos, manter a privacidade ou para ter o máximo de silêncio no descanso após um dia intenso de viagem, trabalho, passeio, esportes ou lazer, é tudo o que um bom quarto de hotel precisa oferecer. Para atender um problema real como esse em São Paulo, a Atenua Som, fabricante de janelas termoacústicas, foi indicada pelo próprio autor do projeto do luxuoso Hotel Unique, o arquiteto Ruy Ohtake, a solucionar as frequentes reclamações dos hóspedes. Os principais incômodos vinham do barulho da avenida devida às acelerações e frenagens de motocicletas e ônibus. A impressão dos hóspedes era de que a janela ficava aberta. Já na face oposta do prédio, o ruído vinha do som dos equipamentos de refrigeração, segundo Nicole Fischer, diretora de produção da Atenua Som.

Do tipo maxim-ar circulares, de aproximadamente 1,8 m de diâmetro, com fecho caracol, constatou-se que o principal problema das janelas do Unique não vinham dos vidros e sim das vedações das esquadrias que não atuavam da forma devida.

“A média de isolamento antes da nossa intervenção era de 22dB. Após o trabalho passou a isolar 35dB em média”, explicam Michael Klein e Aparecido Bonifácio, engenheiros do laboratório da Atenua Som.

As paredes entre os quartos e o revestimento das lajes nos hotéis são itens fundamentais para a privacidade dos hóspedes, entre os andares de cima e de baixo, e o corredor. As soluções e sistemas utilizados devem blindar os ambientes de sons provenientes de aparelhos de TV e música, elevadores, casa de máquinas, do tráfego de pessoas e de carrinhos de malas, de limpeza, do frigobar, entre outros equipamentos que são fontes de ruídos.

Os sistemas de paredes com melhor desempenho acústico e, por isso, mais utilizados em hotéis pela versatilidade, segundo Raeder, são as drywall, mesmo se comparados aos de alvenaria e outros.  “Mas, para garantir o melhor desempenho, o uso de chapas drywall mais densas é fundamental, por permitirem a aplicação direta da lã de vidro sem a necessidade de reforçar a estrutura, o que ajuda no isolamento de ruídos de impacto”, explica Fernando Neves, coordenador técnico e comercial da Saint Gobain.

Para o isolamento vertical, a indicação de Neves é o painel em lã de vidro aglomerada com resina sintética, uma película branca impermeável que trata os ruídos de impacto gerados no pavimento das estruturas nas edificações.

Mercado em crescimento
Em um período de baixa temporada na economia global, o mercado brasileiro que, em 2018, foi marcado pelo baixo nível de crescimento de novas ofertas de hotéis e ocupação, esse ano começa a dar sinais de recuperação. Os maiores investimentos estão sendo projetados ainda para 2019 e 2020, com previsão da construção de 123 empreendimentos distribuídos pela região Sudeste e Sul, segundo o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil – FOHB. Além disso, segundo o mesmo Fórum, a ocupação hoteleira deve crescer 3,2% em 2019.

Cenários como esses são delicados para investidores que veem incertezas no contexto político do país e buscam dar tiros certeiros e sustentáveis em longo prazo. Com isso, os empreendimentos de uso misto com escritórios, residências, cinemas e áreas de comércio começam a crescer.

A ideia amplia o espaço do hotel como área aberta para a cidade e induz os hóspedes a terem experiências locais imediatas, mas trazem desafios para o conforto acústico dos usuários. Mais circulação de pessoas e diferentes tipos de equipamentos prediais colocam para o setor de acústica novos desafios e oportunidades.

Segundo Nancy Devai, gerente de produtos da Owa Sonex, “projetos como esses são bem planejados do ponto de vista da acústica. Muitos deles estão próximos das grandes avenidas e das marginais onde é necessário um tratamento acústico maior. Precisam ser muito bem concebidos para que uma área não interfira na outra de forma muito drástica. Os pontos de acesso precisam ser bem dimensionados e separados. São grandes facilitadores da mobilidade, mas exigem uma solução arquitetônica bem resolvida”.

O Palácio Tangará, por exemplo, um hotel 5 estrelas localizado no Parque Burle Marx, em São Paulo, além de oferecer sofisticadas experiências incluindo, uma gastronomia padrão Michelin, tem a acústica como item primordial de conforto aos hóspedes. O escritório de consultoria Akkerman Alcoragi foi o responsável pelo projeto de acústica. As divisões internas receberam as chapas drywall da Placo Saint Gobain nas paredes das suítes, circulação, banheiros e closets e o revestimento interno da fachada. Os forros foram colocados nos apartamentos e circulação, como em áreas nobres como lobby e salão de festas. Para o spa, ballroom e academia, a Owa Sonex forneceu a linha de forros acústicos.


O conforto acústico em corredores, áreas de lazer, cozinha, restaurantes e ambientes coorporativos, como salas de convenções, treinamentos e reuniões de empresas é responsável por parte importante do conforto sonoro ambiental de um grande hotel. “Como exemplo temos o sistema corredor, um forro removível, que são réguas de 30 cm por 2m, que é indicado para ser instalado em hotéis, pois resolvem bem o ruído de impacto”, explica Paula Omizzolo, gerente de desenvolvimento de mercado da Knauf AMF.

Além de manter o desempenho acústico as soluções devem se adequar ao perfil de design, identidade e valores da rede ou de cada hotel. Omizzolo ressalta que “hoje existem placas acústicas, forros e acabamentos que podem ser personalizados com a logomarca do hotel, imagens e cores específicas para compor com quadros na parede; além de máquinas que fazem cortes e criam mensagens e formas como as nuvens e ilhas acústicas de lã de rocha e dessa forma se consegue personalizar o design da acústica, importantes para o conforto visual dos hotéis”.

Créditos – ProAcústica
As imagens dos hotéis dessa matéria foram cedidas pelas empresas associadas citadas.

Vidraceiros recebem comemoração virtual

No dia 18 de maio celebramos o “Dia do Vidraceiro” e a Abravidro  criou uma série de campanhas virtuais para homenagear os profissionais que prestam serviço no mercado de vidraçarias com a hashtag: #TamoJuntoVidraceiro

A ação tem a proposta de orientar os profissionais sobre as boas práticas que devem ser adotadas quanto ao cumprimento das normas técnicas, atendimento, política comercial e orientações técnicas.

O segmento está em constante crescimento, já que a tecnologia aplicada em vidros é cada vez mais avançada, seja na qualidade estética, em qualidade, aprimorando a segurança e resistência.

Aumentando as possibilidade estéticas e a necessidade de melhorar a acústica do ambiente, o vidro é cada vez mais utilizado por arquitetos e projetistas.

A importância do trabalho do vidraceiro

O vidraceiro entra na fase de acabamento, ele é o responsável por executar o corte, lapidação, furação ou instalação de vidros e espelhos.

Um profissional capacitado é capaz de evitar danos nos vidros e conservar outros materiais de acabamentos que já foram colocados.

A Atenua Som parabeniza pelo seu dia.

VidroSom

VidroSom: ferramenta de informação e troca de conhecimentos

O VidroSom (Seminário de Soluções Acústicas em Vidro) foi realizado durante a Fesqua-2018, no São Paulo Expo. Em sua 11ª edição, apresentou soluções inovadoras e estudos de casos para 190 pessoas. Destacou também o papel do vidro, da esquadria e os cuidados que devem ser tomados no desenvolvimento de um sistema acústico.

O evento consolidou-se como a principal ferramenta de informação e troca de conhecimentos entre arquitetos, fabricantes, consultores e profissionais do setor.

Destaques do VidroSom

Nesta edição, o evento trouxe um palestrante internacional: o grego Yannis Papadiotis, gerente de acessórios para esquadrias da SchlegelGiesse. Papadiotis chamou a atenção para diversos pontos que devem ser observados na fabricação e instalação das esquadrias. Além disso, destacou cases de sucesso em obras na Europa. Em sua palestra, Roberto Papaiz, presidente da Screenline e do ITEC – Instituto Tecnológico da Construção Civil – destacou aspectos sobre o desempenho, estética, conforto acústico e sustentabilidade da “janela do futuro”.

O gerente de Desenvolvimento de Mercado da CEBRACE, Remy Dufrayer, mostrou como o vidro isola o ruído e as vantagens dos vidros laminados. Citou, como exemplo, o vidro laminado de 11mm de proteção solar Cool Lite Linha S aplicado no Hotel Grand Meliá (RJ).

Luciana Teixeira, também da CEBRACE, detalhou o projeto Habitat e os benefícios do vidro de proteção solar em residências.

A engenheira Michele Gleice da Silva, diretora técnica do ITEC, destacou a importância de fornecer, especificar e utilizar esquadrias e guarda-corpos que atendam aos requisitos da Norma de Desempenho Nº 15.575.

Já a arquiteta Carolina Monteiro, doutora em acústica e pesquisadora nas áreas de acústica arquitetônica e ambiental, apresentou as ações desenvolvidas pela Pro Acústica para a elaboração do Mapa de Ruído da cidade de São Paulo.

Por último, Edison Claro de Moraes, diretor da Universidade do Som/Atenua Som e idealizador do VidroSom, trouxe novidades do último Inter Noise realizado recentemente em Chicago (EUA). “Vi que a acústica veicular continua sendo a ‘vedete’ por lá”. Além disso, apresentou um vídeo que expõe os graves problemas acústicos enfrentados pelos vizinhos do Allianz Parque (arena do Palmeiras) em dias de jogos de futebol ou de shows.

E concluiu: “Quando se fala em desempenho de uma janela, o maior problema é do fabricante e não do instalador”. No encerramento, houve um debate entre os palestrantes, coordenado por Fernando Rosa, gerente executivo da AFEAL.

 

Concurso de Desenho

As alunas Isabelli Souza (6ª série A), da Escola Estadual MMDC, e Karina Rodrigues, da Nova 4E, venceram o Concurso de Desenhos “A Poluição Sonora e a minha vida”. As estudantes receberam dois notebooks durante o evento.

Nickolas Corazza Alves e Herbert Custódio da Silva que venceram o mesmo concurso em sua primeira edição, há 10 anos, estiveram presentes e foram homenageados.

Os profissionais eng. Nelson Firmino, do Grupo Aluparts, de 86 anos, especialista em esquadrias especiais e Fernando Passi, diretor da Divinal, também receberam homenagens pelos relevantes serviços prestados ao setor.

Mais uma vez, o evento teve caráter social: o dinheiro arrecadado com as inscrições foi doado para duas entidades:

  • Nova 4E – que atende 160 pessoas especiais na Mooca;
  • Creche Paula Maria, que cuida 210 crianças carentes, no Cambuci.

O VidroSom contou com patrocínio da CEBRACE e realização da Universidade do Som.

A terceira idade merece ouvir bem

É inevitável que com o passar do tempo você vá perdendo a audição devido a diversos fatores como má alimentação e exposição a ruídos, além do desgaste fisiológico das células auditivas.

Na terceira idade, isso causa desconforto e constrangimento, pois é necessário pedir para aumentar o volume da TV ou até mesmo solicitar que a outra pessoa repita ou fale mais alto numa conversa.

O grande problema é o preconceito que muitas pessoas da terceira idade tem a respeito de problemas auditivos. Há uma resistência em procurar auxílio médico, e eles só procuram quando há pressão familiar, o que pode resultar num problema muito mais grave.

É importante frisar que quanto antes a pessoa procurar o médico, maiores são as chances de receber um tratamento e garantir uma melhor qualidade de vida, proporcionando mais segurança, aumentando as relações pessoais e evitando um isolamento.

Cuide de sua saúde auditiva, você merece ouvir bem!

Mitos e verdades sobre vedação para evitar ruídos em casa

Quando o assunto é barulho, todo mundo acha que sabe. A seguir, esclarecemos algumas dúvidas que costumam confundir as pessoas

mitos1 mitos2

PROMETEU, TEM QUE CUMPRIR

 

Ao escolher um imóvel pronto ou na planta, o cliente tem o direito de saber o nível de desempenho acústico definido pela construtora, que pode sofrer ação judicial em caso de não atendimento

 

Polêmica à parte, na prática, a Norma de Desempenho tem força de lei perante o Código de Defesa do Consumidor. Qualquer material de publicidade usado pela construtora na divulgação de um empreendimento vale como documento para o cliente que se sentir prejudicado. Segundo Fábio Villas Bôas, diretor do Sindicato da Construção (Sinduscon-SP), já existem escritórios de advocacia especializados em contestar o cumprimento das novas regras. “As empresas vão se ajustar à medida que o consumidor estiver mais atento. Será um favor para o mercado se o cliente começar a perguntar sobre o nível de desempenho já no estande de vendas”, diz.

 

Fonte: Revista Arquitetura e Construção – Julho 2018

 

https://arquiteturaeconstrucao.abril.com.br/sua-obra/mitos-e-verdades-sobre-vedacao-para-evitar-ruidos-em-casa/

Cinco itens que te ajudarão a preservar a audição

Cuidar da audição é muito importante, visto que diversos fatores do nosso dia a dia podem prejudicá-la. Veja dicas importantes para mantê-la saudável por mais tempo:

• Diminuir o volume de aparelhos de som e/ou dos fones de ouvidos;

imagem1

• Evite fazer atividades físicas com fones de ouvido, pois a alteração do fluxo sanguíneo torna as células ciliadas mais sensíveis ao barulho;

imagem2

• Usar protetores auriculares em locais barulhentos;

imagem3

• Ficar atento ao sintoma zumbido e procurar um médico otorrinolaringologista;

imagem4

• Fazer exames preventivos para evitar a perda auditiva precoce.

imagem5

Além disso, adquira sua Janela Termoacústica e garanta a tranquilidade dentro da sua casa!

imagem5

Som alto e volante

A música pode ser uma excelente válvula de escape para reduzir o estresse. Pode inclusive tornar o trajeto mais agradável. No entanto, se reproduzida num volume alto dentro do carro pode ser prejudicial.

Atenção dividida

Não é novidade nenhuma que o som alto pode prejudicar severamente a audição, mas não é só isso!  Uma pesquisa da Universidade de Groningen, na Holanda, concluiu que ouvir som alto aumenta o esforço do cérebro e, como ele compensa esse esforço, isso não deve impactar diretamente na condução do veículo, mas isso depende muito da situação.

A música pode interferir em situações em que o motorista deve estar mais atento, trazendo riscos à segurança. Assim, é muito importante que o volume esteja em nível aceitável, não sendo prejudicial à audição nem à atenção!